Artigos

04/01/2014

Bonificações em Fazendas de Gado de Corte

Participação nos resultados estimula colaboradores de fazendas de bovinos!


Nas andanças pelo Brasil, de fazenda em fazenda de gado de corte, temos deparado com uma situação repetitiva e constante: a reclamação dos produtores em relação à mão-de-obra. Mesmo nas fazendas mais estruturadas e organizadas, a mão-de-obra tem sido um dos fatores mais complexos.

Esta situação também está presente na pecuária leiteira, na agricultura de grãos e de cana, e nas indústrias. O agronegócio tem crescido e profissionalizado a cada dia, porém tem esbarrado na falta de mão-de-obra qualificada.

Com a migração do homem do campo para as cidades, o crescimento da economia nacional, o aumento da oferta de trabalho urbano e em outros segmentos do agronegócio, o pecuarista está tendo que se ajeitar com o que tem. O cenário mudou, e é preciso que o produtor de gado de corte inove com atitudes diferentes, ferramentas de gestão que possibilitem obter resultados melhores, a começar por atrair e reter funcionários competentes, que estejam motivados e comprometidos com a fazenda.

 

Funcionário Ideal = competente + motivado + comprometido.

 

Essas três características: competência, motivação e comprometimento, formam a equação do funcionário ideal que toda fazenda precisa. No entanto, o pecuarista deve tomar uma posição ativa para identifica-las na peonada, auxiliar no desenvolvimento das competências do trabalho com o gado e afins, promover a motivação no ambiente de trabalho, e envolver a todos para que tenha comprometimento.

 

Bonificação: O Programa de Participação de Resultados.

 

Uma das ferramentas gerenciais para tal é a bonificação ou gratificação pelas tarefas executadas. Nas fazendas aonde esse sistema tem sido implantado, os resultados positivos são evidentes, bem satisfatórios e mútuos, pois a fazenda e os colaboradores estão ganhando.

O pagamento de bonificações para os colaboradores de fazendas de gado de corte deve ser através de Programas de Participação de Resultados (PPR) estabelecidos a partir de um estudo de cada fazenda e estruturado com base nas suas metas e objetivos.

 

Motivação

 

O objetivo original da implantação do PPR é a melhoria nos resultados financeiros e técnicos da fazenda. Esse objetivo é atingido através da troca da motivação dos colaboradores. Antes do PPR, o colaborador trabalhava para a fazenda, agora ele trabalha para si mesmo, pois se cumprir as tarefas com eficiência, quando chegar ao final do mês, o salário pode ser acrescido em até 50,0% do valor original. Essa troca de motivação é a linguagem que ele entende.

Pois, para o colaborador, mais importante do que os objetivos da fazenda, é atingir os seus próprios objetivos pessoais e profissionais, de ser reconhecido, de comprar comida e roupas, de gerar conforto para a família, comprar um carro novo, entre outros.

Essa mudança é sadia, e gera resultados mútuos com os funcionários trabalhando mais, de forma eficiente e satisfeita, e a fazenda atingindo seus resultados financeiros e técnicos que antes não estava.

 

Sem Contraindicações

 

Qualquer fazenda pode utilizar das bonificações para melhorar o seus processos produtivos e resultados. Mesmo na fazenda aonde se tem apenas 01 funcionário, esse pode ter seu trabalho otimizado a partir da divisão dos lucros.

Como consequências da implantação do Programa de Bonificações, tem-se as seguintes vantagens ou 10 motivos para implantação do PPR em sua fazenda:

 

10 Motivos para implantação das Bonificações em sua Fazenda:

 

1. Aumento da motivação e comprometimento dos colaboradores;

2. Cumprimento das tarefas com eficiência;

3. Correção das falhas e pontos fracos da operação da fazenda;

4. Auto monitoramento entre os funcionários em prol de atingirem as metas para o bônus coletivo;

5. Desenvolvimento do espírito coletivo e de dono;

6. Aumento da satisfação dos colaboradores;

7. Seleção natural dos colaboradores e retenção dos competentes;

8. Profissionalização da mão-de-obra e da fazenda;

9. Estabilização do quadro de colaboradores e diminuição da rotação;

10. Melhoria dos resultados técnicos e financeiros da fazenda. Mais dinheiro no bolso!

 

A mudança é gerencial e não depende da compra de uma tecnologia pronta e cara!

 

O programa de bonificação não depende da compra de um equipamento. É necessário apenas planejar e montar um programa em computador para facilitar os cálculos dos bônus.

Sua implantação provoca uma mudança comportamental. Por isso, deve ter o caráter coletivo, e não individual. Assim será gerado o sentido de equipe e vai evitar os boicotes nos casos de um colaborador se sobressair aos demais com maiores bônus. Por exemplo, geralmente em fazendas de cria, paga-se um bônus ao inseminador por prenhes positiva das vacas. Essa é uma bonificação individual que beneficia apenas a pessoa que inseminou. No entanto, a detecção de cio pode ter sido feita por outro vaqueiro.

Por isso, orientamos que tal bonificação venha a beneficiar todo o sistema que proporcionou para que essa vaca ficasse prenhe, desde o auxiliar da fábrica suplementos que misturou o sal mineral, o tratorista que distribuiu o calcário nas pastagens, o cerqueiro que fez a manutenção das cercas, e encarregado pelos serviços gerais que fez a manutenção dos bebedouros e saleiros. Dessa forma, todos são corresponsáveis pela meta de emprenhar as vacas, e vão colaborar uns com os outros, e ainda, irá acontecer o auto-monitoramento entre a equipe.

 

Indicadores e Metas palpáveis pela fazenda:

 

Os indicadores e metas para o Programa de Bonificação deve ter uma linguagem acessível aos colaboradores de menor instrução escolar com o objetivo que todos compreendam e se empenhem em suas respectivas funções. A definição dessas metas deve assegurar os resultados consolidados (palpáveis) pela fazenda e tenha valor real.

Por exemplo, temos trocado a meta de prenhes positiva da vaca por bezerro(a) nascido, e incrementado com um acréscimo de bônus na desmama desses bezerros. Dessa forma, a fazenda garante desde a detecção de cio, manejos reprodutivos e alimentares, nascimentos e cuidados com os bezerros até a desmama. Isso é um resultado prático e acessível que pode agregar receita à fazenda, e que naturalmente poderá distribuir parte desse lucro com os colaboradores que contribuíram para tal.

Outros indicadores são: número de bezerros ou arrobas vendidas, peso à desmama, rendimento de carcaça, ganho em peso, mortalidade, natalidade, manejo das pastagens, produção de silagem, manutenção de cercas e manutenção das benfeitorias, leitura de cochos, entre outros.

Deve ficar clara a relação entre o bônus e o desempenho. Reforçando que resultados positivos somam ao salário fixo, e resultados abaixo das metas podem gerar bônus negativos. Nesse último caso, o colaborador receberá apenas o salário fixo.

 

10 Passos para a Estruturação e Implantação da Bonificação na Fazenda:

 

Para a estruturação e implantação do programa, seguir os 10 passos:

1. Estruturar o Programa para cada fazenda de forma a customizar ou personalizar conforme suas particularidades e metas;

2. Definir o objetivo do Programa;

3. Definir os indicadores e as metas possíveis de serem atingidos;

4. Estruturar um programa de computador para processar as informações que faça a interface com a folha de pagamento;

5. Fazer uma reunião de apresentação do Programa para demonstração da metodologia;

6. Conversar com os gestores e pessoas mais importantes na equipe para consolidar a ideia de que o programa de bonificação vai trazer melhorias individuais;

7. Implantar a “Gestão a Vista” com um quadro explicativo do Programa e outro para demonstração dos resultados mês a mês para que todos possam acompanhar a evolução das informações;

8. Definir as metas trimestralmente, de forma transparente;

9. Revisão periódica das métricas de cálculo das bonificações: no início deverá ser semestral, depois anual. O sistema de bonificações é dinâmico é necessita de melhorias contínuas a partir da sua implantação;

10. A implantação do Programa de Bonificação deverá ser realizada pelo gestor principal da fazenda (proprietário ou gerente), pois será essa pessoa que vai gerenciar a equipe.

 

A motivação financeira é a mais eficiente!

 

As bonificações proporcionam aumento da motivação dos colaboradores da fazenda de diversas formas, a principal delas, é a financeira. Não obstante, a valorização das pessoas, o reconhecimento profissional, a interação da equipe, o compartilhar das metas da fazenda (sentimento de fazer parte do resultado) são motivações que devem acompanhar o bônus, e não são menos importantes.

Visto que a desvalorização da pessoa ou do seu trabalho sem o reconhecimento das funções executadas elimina integralmente a motivação financeira. Ou seja, a motivação pessoal nem sempre é alcançada através do dinheiro. O contrário também é verdadeiro, quando a fazenda proporciona todos os fatores motivacionais, porém o salário é abaixo da média, os colaboradores se desmotivam. O principal objetivo do Programa de Bonificação é gerar uma mudança de comportamento dos funcionários, fazendo-os visualizar que podem se beneficiar com os ganhos da fazenda.

 

As fazendas são administradas por pessoas! Motive-as, e terá bons resultados!

 

Temos que conscientizar que as pessoas são os recursos mais importantes em qualquer projeto em fazendas de gado corte. Independente da tecnologia adotada são as pessoas que vão colocar em prática o manejo das pastagens, o fornecimento de suplementos, a operação dos tratores, compra de insumos, apartação do gado, compra e venda de gado, contabilidade, entre outras necessárias para “fazer o bezerro nascer e o boi engordar”.

Bonificações extras ao programa, como: confraternizações, participação de eventos (feiras, palestras, dias de campo) e presentes de aniversário são coadjuvantes para integração do colaborador às metas da fazenda, e também podem ser utilizados para motivá-los.

 

Quem soma interesses, divide resultados!

 

O pagamento de bonificações aos colaboradores das fazendas de gado de corte através dos Programas de Participação de Resultados é uma ferramenta gerencial muito importante e valiosa para auxiliar na gestão das pessoas contribuindo para atrair e reter bons funcionários, motivar a equipe e obter os resultados que a fazenda precisa.

Se a mão-de-obra da sua fazenda está precisando de um ânimo novo, experimente “trocar a motivação” dos colaboradores, compartilhe com eles os interesses que a fazenda tem de atingir as metas, divida os resultados obtidos, e por fim, coloque mais dinheiro no bolso!

 

Fonte: Revista Pecuária de Corte, nº 05 - Ano 02, Abril de 2012.

 

Marco Aurélio Nunes

Diretor Executivo da Marco Rural Consultoria em Agronegócios

Especialista em Gerenciamento de Projetos pela FGV

Especialista em Produção de Ruminantes pela Esalq/USP

Veterinário pela UFU

marcoaurelio@marcorural.com.br

(34) 3210-7646








 

 

 

 

 

 







Assine nosso informativo e receba novidades da Marco Rural diretamente em seu e-mail. Basta preencher os campos abaixo e clicar em assinar.


*  Seu endereço de email:

E-Marketer

Últimos Tweets

Marco Rural

Av: Dr. Jaime Ribeiro da Luz, 971, sala 48 - Santa Mônica CEP: 38408-188
FONE: (34) 3210-7646 | 9 9162-0542  Uberlândia/MG -  marcorural@marcorural.com.br